Alemanha soberana - e jovem


A Alemanha conquistou dois títulos em apenas 48 horas. Dois títulos praticamente apenas com jogadores jovens - sendo que a Copa das Confederações não é uma competição de base. Dois títulos incontestáveis e sem ser ameaçada em quase nenhum momento. E mostrou que o trabalho de formação desenvolvido no país e que já rendeu um título mundial à seleção alemã segue de vento em popa e deve manter a Nationalmannschaft no topo por muitos anos mais.

Na última sexta-feira a seleção alemã sub-21 conquistou o Campeonato Europeu da categoria derrotando a favorita Espanha por 1 a 0 na final em Cracóvia. No domingo seguinte, o time "principal" levou a Copa das Confederações ao bater o Chile pelo mesmo placar em São Petersburgo. Para a Rússia, o técnico Joachim Löw levou um time quase que inteiramente formado por jovens e/ou jogadores que ainda não tinham tido muitas chances na equipe principal. A iniciativa fez com que o elenco que disputou o Europeu Sub-21 na Croácia também fosse uma espécie de equipe B, já que o melhores talentos jovens alemães estavam no torneio da Fifa. Ou seja: a Alemanha acaba de conquistar dois títulos com times B.

Quem conhece o futebol além das quatro linhas, sabe que a proliferação recente de jogadores talentosos na Alemanha não é fruto do acaso, e sim de um trabalho de base, longo prazo e muito bem feito pela Federação Alemã (DFB) desde 2000, após o vexame da eliminação na primeira fase da Eurocopa, com apenas um ponto conquistado. Um trabalho parcialmente inspirado no feito pela Federação Francesa (FFF) e que faz com que o time vice-campeão europeu em 2016 também seja um dos favoritos a conquistar a Copa 2018. A quem se interessar pelo tema, recomendo a leitura dos livros "The Bundesliga Blueprint: How Germany Became the Home of Football", de Lee Price, ainda sem tradução para o português, e "Gol da Alemanha", de Axel Torres e André Schön, publicado pela editora Grande Área.

Foi esse trabalho que revelou e moldou jogadores como Philipp Lahm, Bastian Schweinsteiger e Lukas Podolski numa primeira geração, Thomas Müller, Toni Kroos, Mesut Özil, Manuel Neuer, Mats Hummels, Jerome Boateng, Marco Reus e Sami Khedira numa segunda geração e, mais recentemente, Mario Götze, Julian Draxler, Joshua Kimmich, Marc-André Ter Stegen, Leroy Sané, Timo Werner, Leon Goretzka, Julian Brandt e Lars Stindl, para mencionar apenas "alguns" nomes.

É também esse trabalho que fez da Bundesliga a segunda liga nacional mais valiosa (em termos de valores pagos pelos direitos de transmissão) do mundo, atrás apenas da Premier League inglesa. O Campeonato Alemão é ainda o de menor média de idade entre os principais da Europa (25 anos, contra 25,4 do Francês; 25,6 do Português; 25,8 do Italiano; 26,7 do Inglês; e 26,8 do Espanhol) e, ao menos para mim, o mais atraente e de jogos mais rápidos e dinâmicos. Ou seja: o trabalho feito pela DFB com as categorias de base dos clubes das Primeira e Segunda Divisões na Alemanha reflete diretamente na liga doméstica, que ganha em atratividade e competitividade - mesmo que o Bayern ainda seja dominante.

No que tange à seleção principal, a constantemente renovada Nationalmannschaft é novamente favorita ao título mundial ano que vem. E, além de exibir um futebol tático e organizado que sempre lhe foi característico, a equipe alemã segue desfilando talento e criatividade, que antes remetiam principalmente à seleção brasileira - isso desde pelo menos 2010, quando a seleção que terminou o Mundial na terceira colocação tinha a quarta média de idade mais baixa entre as 32 do torneio (25 anos, atrás somente de Gana, Coreia do Norte e Camarões); em 2014, a equipe alemã foi campeã com a sexta média de idade mais baixa da Copa, 25,8.

O futebol deixou de ser um jogo de 11 contra 11 onde a Alemanha sempre vence para se tornar um jogo de 11 contra 11 onde a Alemanha sempre encanta.

Crédito: fifa.com/Getty Images

You Might Also Like:
  • White Facebook Icon
    • White Twitter Icon
    Rio 2016
    Santiago Bernabéu
    Santiago Bernabéu
    Estádio Olímpico de Berlim
    Parken Stadium
    Estádio Olímpico de Berlim
    Estádio Olímpico
    Estádio Aquático
    Maracanã
    Grand Stade de Marrakech
    Centro Olímpico de Tênis
    Arena Olímpica do Rio
    Velódromo Olímpico
    Arena Carioca 1
    Allianz Arena
    Estádio Azteca
    Allianz Arena
    Staples Center
    Grand Stade de Marrakech
    Couto Pereira
    Mercedes Benz Arena
    Max-Schmeling-Halle
    Mercedes Benz Arena
    Ciudad Real Madrid, Valdebebas
    Estádio Olímpico de Amsterdã
    José Alvalade
    Amsterdam ArenA
    Camp Nou, orelhuda
    San Mamés
    Ramón Sánchez Pizjuan
    Caja Mágica
    Santiago Bernabéu
    José Alvalade
    Monumental de Núñez
    Estádio do Dragão
    Estádio da Luz
    Benito Villamarín
    Camp Nou
    Arena Fonte Nova
    Estádio Olímpico de Berlim
    Stadion An der Alten Försterei
    Estádio Olímpico de Berlim
    Sobre a autora

    Apaixonada por futebol desde 1981.

    Entusiasta de quase todos os outros esportes.

    Turista de estádios.

    Combinando a bola no pé e os dedos no teclado em seu próprio espaço.

     

    Procura por Tags

    © 2023 by Going Places. Proudly created with Wix.com