As Eliminatórias dos pequenos 'Davis'


No esporte, é muito fácil simpatizar com os "Davis", aquelas equipes ou atletas de pouca ou nenhuma projeção no cenário mundial, para as quais, muitas vezes, a classificação para disputar um torneio relevante já parece um feito e tanto, em oposição aos "Golias" papa-títulos. Quem não torceu pelo Taiti na Copa das Confederações 2013, quando a seleção amadora do diminuto país da Oceania tomou 10 gols da Espanha no Maracanã? Na Copa 2018, teremos alguns "Davis" para apoiar entre um jogo e outro da Seleção Brasileira.

A segunda seleção favorita do mundo inteiro talvez seja, há pelo menos dois anos, a Islândia. O peculiar país europeu é o primeiro estreante do Mundial da Rússia. Com pouco mais de 330 mil habitantes, classificar-se para a fase final da Copa é um feito mais que histórico. O Uruguai, com 3,4 milhões de habitantes, é sempre lembrado como um ponto fora da curva no mapa do futebol. O país sul-americano tem dois títulos mundiais e, mesmo que o último deles tenha sido conquistado na primeira metade do século passado, em 2010 a Celeste alcançou o quarto lugar na África do Sul, à frente dos vizinhos mais "poderosos" Argentina e Brasil. É preciso um grande número de praticantes de um esporte no país para que a seleção dos melhores deles faça frente a outras seleções. E não é preciso nem dizer que a tradição futebolística do Uruguai está anos-luz à frente da islandesa.

A ascensão do futebol islandês, porém, não é novidade. Nas Eliminatórias para o Mundial do Brasil, os Vikings bateram na trave ao empatar sem gols e depois serem derrotados pela Croácia na repescagem europeia. Já nas Eliminatórias da Euro 2016, se classificaram em segundo lugar em um grupo que tinha a terceira colocada da Copa 2014, Holanda. Enganou-se quem achava que a Islândia faria figuração na competição europeia - como Cristiano Ronaldo. A seleção estreante se classificou para o mata-mata à frente de Portugal e eliminou a Inglaterra nas oitavas ao vencer por 2 a 1 um jogo que teve total domínio, caindo apenas para a França nas quartas. O passo seguinte foi se classificar para a Copa como primeira do grupo. Dependendo da chave em que for sorteada, a seleção islandesa pode fazer bonito também no Mundial e deixar sua marca no futebol - além da linda comemoração com palmas sincronizadas com a torcida.

Mas a Islândia pode ter que disputar com outras carismáticas seleções o carinho dos torcedores não-nacionais. Das equipes já classificadas, a que mais desperta empatia até o momento é o Egito. Sempre favorito na Copa das Nações Africanas e permanente decepção nas Eliminatórias para o Mundial, a seleção norte-africana garantiu a vaga com um gol de Salah nos acréscimos no último domingo e disputará sua terceira Copa, depois de 1934 e 1990. Se mantiver o excelente futebol que vem jogando no Liverpool, o atacante egípcio pode levar sua seleção a sonhos mais altos.

De volta à Europa, o País de Gales, que disputou com a Islândia o carinho da torcida na Euro 2016, deixou a vaga na repescagem escapar ao perder em casa para a Irlanda na segunda-feira, mas a Irlanda do Norte está na repescagem e pode voltar a jogar uma Copa do Mundo, assim como a vizinha Irlanda.

Na América do Sul, o Peru tenta sua vaga na Rússia em jogo às 20h30 desta terça-feira. Na África, Burkina Faso e Cabo Verde se enfrentam em novembro na última rodada do Grupo D, e, dependo do resultado de dois confrontos entre Senegal e África do Sul, o vencedor pode ser mais um estreante em Copas, assim como o Panamá, que enfrenta a Costa Rica na madrugada desta quarta-feira e precisa torcer contra os Estados Unidos no confronto contra Trinidad e Tobago para carimbar o passaporte para a Rússia - ou pode ainda ficar com a vaga na repescagem contra a Austrália.

No entanto, a seleção que certamente seria a favorita de praticamente todo mundo, a Síria, foi eliminada nesta madrugada ao perder, na prorrogação, para a Austrália por 2 a 1 depois de um heróico empate em 1 a 1 no jogo de ida. Para um país em guerra civil há mais de seis anos, a classificação para a repescagem asiática (cujo vencedor ainda disputa mais uma repescagem, contra o quarto colocado da Concacaf) foi comemorada como um título inédito.

Com equipes de pouco destaque conquistando seu lugar na Rússia em 2018 e favoritas decepcionando, como a Holanda, que está praticamente eliminada, e a Argentina, que está fora da zona de classificação, mas ainda tem grandes chances de conquistar a vaga, as Eliminatórias para o próximo Mundial já foram bem mais emocionantes que algumas Copas passadas.

Crédito: UEFA.com/AFP/GettyImages

You Might Also Like:
  • White Facebook Icon
    • White Twitter Icon
    Rio 2016
    Santiago Bernabéu
    Santiago Bernabéu
    Estádio Olímpico de Berlim
    Parken Stadium
    Estádio Olímpico de Berlim
    Estádio Olímpico
    Estádio Aquático
    Maracanã
    Grand Stade de Marrakech
    Centro Olímpico de Tênis
    Arena Olímpica do Rio
    Velódromo Olímpico
    Arena Carioca 1
    Allianz Arena
    Estádio Azteca
    Allianz Arena
    Staples Center
    Grand Stade de Marrakech
    Couto Pereira
    Mercedes Benz Arena
    Max-Schmeling-Halle
    Mercedes Benz Arena
    Ciudad Real Madrid, Valdebebas
    Estádio Olímpico de Amsterdã
    José Alvalade
    Amsterdam ArenA
    Camp Nou, orelhuda
    San Mamés
    Ramón Sánchez Pizjuan
    Caja Mágica
    Santiago Bernabéu
    José Alvalade
    Monumental de Núñez
    Estádio do Dragão
    Estádio da Luz
    Benito Villamarín
    Camp Nou
    Arena Fonte Nova
    Estádio Olímpico de Berlim
    Stadion An der Alten Försterei
    Estádio Olímpico de Berlim
    Sobre a autora

    Apaixonada por futebol desde 1981.

    Entusiasta de quase todos os outros esportes.

    Turista de estádios.

    Combinando a bola no pé e os dedos no teclado em seu próprio espaço.

     

    Procura por Tags

    © 2023 by Going Places. Proudly created with Wix.com