Brasil, o país do futebol – ao menos na Áustria


Pouco importa crise ou 7 a 1. Ao menos fora do Brasil a Seleção Brasileira ainda é sinônimo de futebol arte, bonito, vencedor. No último domingo 48.500 torcedores foram ao Ernst Happel Stadion, em Viena, assistir à equipe da Áustria enfrentar os pentacampeões mundiais, e o clima era bastante diferente de uma semana antes, quando o Nationalteam recebeu a Alemanha em Klagenfurt. Jogadores brasileiros foram aplaudidos quando anunciados e substituídos, o belo gol de Neymar foi celebrado até pela torcida da casa e, mesmo que a maioria dos presentes no estádio tivesse esperança de que a equipe austríaca pudesse vencer os visitantes, ou mesmo marcar um gol de honra, em geral o torcedor voltou para casa satisfeito, mesmo diante de uma derrota de 3 a 0.

É bem verdade que o Brasil não tem com a Áustria a rivalidade que esta tem com o país vizinho. Se uma semana antes o hino alemão chegou a ser até vaiado no Wörtherseestadion, e a torcida austríaca cantou durante quase os 90 minutos e celebrou a primeira vitória contra a Alemanha em 32 anos como se fosse um título, em Viena o clima era amistoso – ao menos fora de campo. Os torcedores cantaram bem menos, provavelmente mais interessados em assistir à partida que em empurrar o seu time – a exceção ficou por conta de uma menina de cerca de nove anos que passou a partida inteira cantando “immer wieder Österreich” (sempre Áustria), até que em meados do segundo tempo o estádio quase inteiro decidiu acompanhá-la. E a honra por receber o maior campeão do mundo e alguns dos maiores craques da atualidade era notável.

Na apresentação dos jogadores, Neymar e Marcelo foram extremamente aplaudidos, e inúmeros torcedores mirins foram ao estádio vestindo a camisa 10 da equipe canarinho ou do Paris Saint-Germain – a idolatria a Neymar é incontestável, não importa o país. Quando Gabriel Jesus deu lugar a Roberto Firmino, o jogador do Liverpool também foi recebido com uma grande ovação. E, por mais que o excesso de firula e as reclamações do atacante do PSG tenham gerado algumas vaias, Neymar foi muito celebrado também ao ser substituído e na comemoração de seu gol, marcado após um drible desconcertante deixar Dragovic estirado na área.

O respeito foi além do futebol, e a homenagem a Maria Esther Bueno também foi motivo de muitos aplausos. Antes do apito inicial, a maior tenista do Brasil foi mostrada no telão enquanto o narrador do estádio contava ao público austríaco alguns de seus feitos. Mesmo que o minuto de silêncio pedido pela CBF tenha sido negado pela federação austríaca, a lenda do tênis foi lembrada e aplaudida.

A postura da Áustria em campo também foi outra. Contra a Alemanha, marcação adiantada, pressionando a saída de bola. Contra o Brasil, a equipe austríaca optou por esperar o Brasil no seu campo de defesa, na expectativa de um contra-ataque. Com a costumeira dificuldade contra times retrancados, a Seleção demorou a criar boas oportunidades em campo e só deslanchou mesmo no segundo tempo. Mesmo que os gols tenham sido marcados pelo celebrado trio ofensivo, formado por Gabriel Jesus, Neymar e Philippe Coutinho, quem se destacou mais uma vez foi Willian, sempre voltando para buscar a bola na defesa e armar boas jogadas e ainda trocando bons passes com Paulinho pela direita.

No fim das contas, o 3 a 0 ficou barato. E terminar a partida sem nenhum jogador lesionado às vésperas da Copa também foi lucro. Enquanto a torcida da casa respeitou os “pontinhos” amarelos no mar vermelho que se tornou a arquibancada do Ernst Happel Stadion e aplaudiu os vencedores, em campo a seleção austríaca não quis saber de clima amistoso. Neymar, principalmente, foi caçado em campo, e aproveitou para valorizar cada falta. A perseguição a um dos maiores astros da Copa fica de aviso: durante o Mundial os adversários devem fazer ainda pior, e é provável que a torcida rival também pegue no pé do atacante, que ainda tem fama de “cai-cai”.

Último amistoso antes da Copa terminado, botei minha bandeira vermelha e branca debaixo do braço – uma cerveja patrocinadora da seleção austríaca colocara bandeiras em cada um dos assentos do estádio, fazendo um bonito espetáculo visual quando agitadas pela torcida – e me dirigi ao metrô a tempo de pegar o trem de volta para a minha cidade, Klagenfurt, a quatro horas de Viena. No vagão lotado, duas senhoras que voltavam de sua tradicional caminhada de fim de semana se surpreenderam com a multidão de camisa vermelha e perguntaram: “A Áustria jogou contra quem? Brasil? E quanto foi? Cinco a zero? Sete?”. Quando disse o placar final, elas ficaram surpresas: “Só três? Jogamos bem, então!”. Por aqui, o Brasil ainda é o país do futebol.

Crédito: Lucas Figueiredo/CBF e arquivo pessoal

You Might Also Like:
  • White Facebook Icon
    • White Twitter Icon
    Rio 2016
    Santiago Bernabéu
    Santiago Bernabéu
    Estádio Olímpico de Berlim
    Parken Stadium
    Estádio Olímpico de Berlim
    Estádio Olímpico
    Estádio Aquático
    Maracanã
    Grand Stade de Marrakech
    Centro Olímpico de Tênis
    Arena Olímpica do Rio
    Velódromo Olímpico
    Arena Carioca 1
    Allianz Arena
    Estádio Azteca
    Allianz Arena
    Staples Center
    Grand Stade de Marrakech
    Couto Pereira
    Mercedes Benz Arena
    Max-Schmeling-Halle
    Mercedes Benz Arena
    Ciudad Real Madrid, Valdebebas
    Estádio Olímpico de Amsterdã
    José Alvalade
    Amsterdam ArenA
    Camp Nou, orelhuda
    San Mamés
    Ramón Sánchez Pizjuan
    Caja Mágica
    Santiago Bernabéu
    José Alvalade
    Monumental de Núñez
    Estádio do Dragão
    Estádio da Luz
    Benito Villamarín
    Camp Nou
    Arena Fonte Nova
    Estádio Olímpico de Berlim
    Stadion An der Alten Försterei
    Estádio Olímpico de Berlim
    Sobre a autora

    Apaixonada por futebol desde 1981.

    Entusiasta de quase todos os outros esportes.

    Turista de estádios.

    Combinando a bola no pé e os dedos no teclado em seu próprio espaço.

     

    Procura por Tags

    © 2023 by Going Places. Proudly created with Wix.com