Bale exige - e merece - a titularidade de volta


São muitas as considerações a fazer sobre a final da Champions do último sábado, mas a reta final do semestre de um mestrado na Áustria não me permitiu escrever antes. A primeira delas diz respeito a um dos grandes personagens daquela partida, que quase ficou em segundo plano devido à lesão de Salah e às falhas de Karius: Gareth Bale.

Não dá pra falar de Bale sem fazer uma rápida retrospectiva da carreira do galês. O camisa 11 do Real Madrid começou no Southampton como lateral-esquerdo e no Tottenham ainda jogou na posição, mesmo que fosse ganhando características cada vez mais ofensivas. Bale ganhou notoriedade quando os Spurs enfrentaram a então campeã Inter de Milão na Champions em 2010/11. Na partida de ida, no Giuseppe Meazza, o ainda lateral fez seu primeiro hat-trick como profissional e quase empatou o jogo que a Inter goleava por 4 a 0. Um colega de redação começou sua crônica com a frase “Bale é um monstro”, e o galês se tornou um dos principais jogadores da atualidade.

Apesar de ter sofrido – e ainda sofrer – com lesões, Bale foi aprimorando seu jogo e seu físico, tornou-se ponta esquerda e foi para o Real Madrid como o jogador mais caro do mundo. Na Espanha o britânico passou a atuar também na ponta direita, formou com Benzema e Cristiano Ronaldo o trio BBC e, em cinco temporadas, alternou momentos espetaculares – como a arrancada e o golaço que garantiram aos Merengues a vitória sobre o Barcelona e o título da Copa do Rei em 2014 – com atuações apagadas e muitas passagens pelo departamento médico.

A imprensa espanhola dá conta ainda de que, tímido e com dificuldade inicial para aprender o espanhol, Bale não é o mais sociável dos jogadores do Real. Desde a chegada de Zidane, o ponta perdeu espaço. Durante algumas estadias na fisioterapia foi substituído por um Isco em excelente fase e perdeu a preferência entre os titulares.

Desde o verão europeu passado, o Real Madrid vem tentando descobrir o que fazer com Bale: o astro contratado a peso de ouro nunca deu o retorno esperado no que tange ao marketing – é infinitamente menos midiático que Cristiano e boa parte de seus colegas –, e o retorno em campo parece não ser proporcional ao investimento, principalmente depois que ele passou a ocupar o banco. No entanto, não são muitos os clubes que poderiam arcar com os valores que o Real exigiria para se desfazer do jogador.

O panorama mudou depois do último sábado. Após fazer dois gols na final do tricampeonato europeu, um deles uma verdadeira pintura que talvez desbanque o de Zidane do posto de tento mais lindo das finais da Champions, o galês mostrou que não pode continuar no banco, nem mesmo como 12o titular. E as declarações sobre seu futuro dadas após a partida dão conta de que, se não for pra ser titular, Bale prefere fazer as malas. No entanto, o Real já cometeu recentemente o erro de se desfazer do melhor da temporada após um título europeu, e vender o jogador que marcou dois gols na final do tricampeonato, um deles de bicicleta, é um equívoco que gestor esportivo nenhum gostaria de fazer.

O Manchester United, que ano após ano gasta muitos milhões no mercado de transferências e continua não assustando ninguém em campo, seria o provável destino do galês. Há, entretanto, a possibilidade de Cristiano ter feito sábado seu último jogo como Merengue – assim como Bale, as declarações de Ronaldo após a partida dão conta de uma possível saída –, e o Real não só não poderia se desfazer de seus dois maiores astros de uma só vez, como a ausência do português abriria espaço para Bale entre os titulares. Seja como for, o Real Madrid seguirá tendo elenco e qualidade para chegar à quarta final de Champions consecutiva na próxima temporada, só não deve é repetir a mesma escalação, como fez em 2017 e 2018, mais uma vez.

Crédito: Antonio Villalba e Helios de la Rubia/realmadrid.com

You Might Also Like:
  • White Facebook Icon
    • White Twitter Icon
    Rio 2016
    Santiago Bernabéu
    Santiago Bernabéu
    Estádio Olímpico de Berlim
    Parken Stadium
    Estádio Olímpico de Berlim
    Estádio Olímpico
    Estádio Aquático
    Maracanã
    Grand Stade de Marrakech
    Centro Olímpico de Tênis
    Arena Olímpica do Rio
    Velódromo Olímpico
    Arena Carioca 1
    Allianz Arena
    Estádio Azteca
    Allianz Arena
    Staples Center
    Grand Stade de Marrakech
    Couto Pereira
    Mercedes Benz Arena
    Max-Schmeling-Halle
    Mercedes Benz Arena
    Ciudad Real Madrid, Valdebebas
    Estádio Olímpico de Amsterdã
    José Alvalade
    Amsterdam ArenA
    Camp Nou, orelhuda
    San Mamés
    Ramón Sánchez Pizjuan
    Caja Mágica
    Santiago Bernabéu
    José Alvalade
    Monumental de Núñez
    Estádio do Dragão
    Estádio da Luz
    Benito Villamarín
    Camp Nou
    Arena Fonte Nova
    Estádio Olímpico de Berlim
    Stadion An der Alten Försterei
    Estádio Olímpico de Berlim
    Sobre a autora

    Apaixonada por futebol desde 1981.

    Entusiasta de quase todos os outros esportes.

    Turista de estádios.

    Combinando a bola no pé e os dedos no teclado em seu próprio espaço.

     

    Procura por Tags

    © 2023 by Going Places. Proudly created with Wix.com